Tragédia: pai e filho morrem queimados em apartamento da Zona Norte do Rio

Tragédia-01

Marlei e o pequeno Gabriel morreram junto a grade do apartamento/Reprodução/G1/Rede social

Apartamento onde vítimas moravam foi atingido por fogo que se alastrarou rapidamente.Vizinhos fizeram de tudo, mas não conseguiram salvar as vítimas.

A morte de pai e filho comoveu o Rio de Janeiro na manhã de ontem. Os dois morreram queimados depois que o apartamento em que estavam pegou fogo. A tragédia aconteceu na Rua Ubiratã, em frente à Escola Municipal Dom João VI, em Higienópolis, na Zona Norte do Rio. O Corpo de Bombeiros informou que agentes do Quartel de Ramos foram acionados às 8h40 para o segundo andar do prédio.
Testemunhas relataram que o pai, identificado como Marlei, tentou tirar o filho, Gabriel, de pouco mais de um ano, do apartamento pela varanda, mas não conseguiu abrir as grades. Moradores da região também se mobilizaram na tentativa de resgatar as vítimas antes da chegada dos bombeiros, mas as chamas se alastraram muito rápido, atingido todo o apartamento.
A mãe da criança havia saído cedo para trabalhar. As causas do incêndio serão investigadas. A família é de imigrantes angolanos e estava no Brasil há 5 anos. O casal, que havia se mudado há poucos meses para o apartamento, estava com dificuldades financeiras e tinha ordem de despejo.

“Ele ficou em pé. Ele não deu um ‘ah’, nada, nada”
Outra testemunha contou sobre os últimos momentos de paie e filho. “Ele ficou em pé. Ele não deu um ‘ah’, nada, nada. Ele tentou o tempo todo passar o neném para que a gente pudesse pegar ele, mas não foi possível. Então, não pudemos fazer nada. Ficamos impotentes. O pessoal foi com extintor. O vizinho voltou em casa, pegou uma escada. Os vizinhos subiram pela marquise. Tentaram o tempo todo. Depois, o calor foi muito intenso, chegou até aqui embaixo. E aí eu abaixei a minha cabeça para poder não guardar as imagens”, relembra a testemunha.

Parentes entraram em desespero
Por volta de 11h30m, os corpos das vítimas foram levados para o IML (Instituto Médico Legal). Os parentes chegaram no momento de retirada das vítimas e entraram em desespero. Vizinhos disseram que os bombeiros demoraram cerca de 40 minutos para chegar. “Fizemos tudo que podíamos e ele também. Se os bombeiros chegassem em 10 minutos, mesmo assim eles não teriam sido salvos. Quando as chamas chegaram nele, o bebê já estava no chão”, disse.

Terceiro caso em menos de 24 horas
O fogo que destruiu o apartamento em Higienópolis foi o terceiro no Rio ade em menos de 24 horas. Na última segunda-feira, um incêndio na cobertura de um prédio na Tijuca e uma residência no Recreio dos Bandeirantes, nas Zonas Norte e Oeste, respectivamente, não deixaram vítimas

Fonte: G1

Deixe um Comentário