PRF intercepta bonde de traficantes do ‘Complexo da Penha’ na Dutra. Motorista de ônibus morre trabalhando

PRF 16 11 2018

Um bonde de traficantes do ‘Complexo da Penha’ foi interceptado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), em uma abordagem na Rodovia Presidente Dutra (BR-116), em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Todos estavam armados e levavam drogas para uma comunidade de Queimados. O caso aconteceu no início da noite de sexta-feira (16).

Carlos Alberto Araújo, de 52 anos, motorista da Tinguá, morto durante o tiroteio, enquanto trabalhava

Equipes da PRF faziam patrulhamento na rodovia, na pista sentido São Paulo, quando desconfiaram de homens que estavam num Versa e resolveram abordá-los. Ao darem ordem de parada a um Corolla que vinha logo em seguida, os ocupantes do carro começaram a atirar contra os policiais.  Pessoas que estavam num ônibus que passava pela via foram atingidas pelos disparos. O motorista do coletivo foi baleado e faleceu no local. Carlos Alberto Araújo, de 52 anos, morador do bairro Monte Líbano, em Nova Iguaçu, é o motorista de ônibus da empresa Tinguá, morto quando trabalhava, durante o tiroteio. Os policiais reagiram, mas os bandidos conseguiram fugir. As vítimas foram socorridas para o Hospital da Posse, em Nova Iguaçu.  No primeiro carro abordado, foram encontradas cinco pistolas, além de centenas de trouxinhas de maconha e papelotes de cocaína. Cinco homens foram presos e disseram que seguiam para o morro da Caixa d’Água, em Queimados. Eles teriam saído da Vila Cruzeiro, no ‘Complexo da Penha’, Zona Norte do Rio, e estariam levando armas e drogas para a comunidade da Baixada Fluminense.  Pouco depois, o Corolla foi encontrado abandonado no bairro Ambaí, em Nova Iguaçu. O corpo de um homem estava no interior do veículo. Ele estava com colete e acessórios policiais. Também havia carregadores de fuzil AK-47 e pistola. O morto seria um dos autores do latrocínio que vitimou um policial militar. O caso ocorreu em junho deste ano. A mãe do policial infartou e faleceu ao reconhecer o filho morto no local do crime, em Gramacho, Duque de Caxias.

A Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) foi acionada para realizar a perícia. Os presos e os materiais apreendidos foram encaminhados para a 52ª DP (Nova Iguaçu), onde o caso foi registrado. (As informações são da Polícia Rodoviária Federal – PRF).

Edição: Jota Carvalho / HORA H

Deixe um Comentário