Papa Francisco é favorável à união civil entre homossexuais

VATICAN CITY, VATICAN - JANUARY 29: Pope Francis holds his weekly audience in St. Peter's Square on January 29, 2014 in Vatican City, Vatican. After his appearance on the cover of Rolling Stone magazine, today Pontiff was also found to be represented in a graffiti in Rome that portrays him in a superhero vest. (Photo by Franco Origlia/Getty Images)

REDAÇÃO / HORA H

O Papa Francisco voltou a ser assunto na quarta-feira (21). Desta vez, por causa de uma filme que entrou em cartaz a partir de ontem, na Itália. Nele, o líder religioso diz que os homossexuais precisam ser protegidos por leis de união civil.
O documentário “Francesco” estreia em Roma nesta semana e nos Estados Unidos na semana que vem. Para muitos, a declaração é a mais aberta que ele já teve até o momento sobre pautas LGBTIs.
“As pessoas homossexuais têm direito de estar em uma família. Elas são filhas de Deus e têm direito a uma família. Ninguém deverá ser descartado ou ser infeliz por isso”, assegura.
“O que precisamos criar é uma lei de união civil. Dessa forma eles são legalmente contemplados. Eu defendi isso”, afirma o líder religioso, em outro trecho.
Apesar da posição mais progressista do Papa Francisco, a doutrina da Igreja sobre o tema permanece igual.
“Apoiando-se na Sagrada Escritura, que os apresenta [aos homossexuais] como depravações graves, a Tradição sempre declarou que ‘os atos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados’. São contrários à lei natural, fecham o ato sexual ao dom da vida, não procedem duma verdadeira complementaridade afetiva sexual, não podem, em caso algum, ser aprovados”, trecho do Catecismo da Igreja Católica, número 2357.