Encontro debate autismo e síndrome de down em Belford Roxo

300- Alunos da Apae fazem apresentação de capoeira
Foto: Rafael Barreto/PMBR/Divulgação

Com cerca de mil alunos com autismo e síndrome de down na rede municipal, a Prefeitura de Belford Roxo realizou, na Uniabeu, o 5º Encontro Marcado: autismo e síndrome de down”, que contou com a participação de professores especialistas, além do secretário de Educação, Denis Macedo. Durante o evento, alunos da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) fizeram uma apresentação de capoeira.

O secretário municipal de Educação, Denis Macedo, frisou que a Educação tenta reduzir as desigualdades sociais. “Precisamos entender que as pessoas não são apenas instrumentos de trabalho, mas seres humanos em toda sua essência. Na educação especial percebemos uma grande interação. Estou muito feliz com este encontro, pois, apesar das dificuldades, estamos avançando em diversas questões. Nos próximos dias iremos entregar os kits escolares da educação especial. O município ganhará ainda do Governo federal 12 micro-ônibus adaptados para cadeirantes que irão transportar alunos”, arrematou o secretário.
De acordo com a chefe de Divisão de Educação Especial, professora Célia Domingues, o município dispõe de 75 unidades escolares e 46 salas de recursos, além da Escola Municipal de Educação Especial Albert Sabin (que possui classes especiais, classes regulares, educação infantil e um ambulatório), que lidam com alunos autistas e estudantes com síndrome de down. “O município está abraçando esta causa e envolvido para oferecer sempre o melhor. Precisamos resgatar e melhorar nossa autoestima. E isso é possível quando fazemos o que amamos”, resumiu Célia, que pediu a todos que fizessem um minuto de silêncio em homenagem à diretora Tânia Lima, assassinada na semana passada por bandidos na Avenida Automóvel Clube.

Movimento Orgulho Autista Brasil
Coordenadora do Movimento Orgulho Autista Brasil (Moab) no Rio de Janeiro, Luciana Fernandes revelou que Belford Roxo “abriu as portas” para a entidade mostrar seu trabalho. Ela frisou que o Moab está na linha de frente agora para que um censo seja realizado para detectar o número de autistas no país. “Pelo IBGE, em 2010, tínhamos dois milhões de autistas. Mas este número está muito defasado”, encerrou Luciana Fernandes, ao lado da coordenadora do Moab em Belford Roxo, Gabriela Oliveira, e de Juliete Cordeiro Leal, eleita pela Moab a mãe do ano.

Deixe um Comentário