Emoção marca o lançamento do livro Os Meninos João Candido, no Centro Cultural Meritiense

Livro Os Meninos João Candido
Foto: Beto Franzen

A luta contra o racismo uniu diferentes vozes no lançamento do livro Os Meninos João Cândido, da escritora Stela Caputo, na noite de segunda-feira (5), no teatro do Centro Cultural Meritiense. O evento, realizado com apoio da Secretaria municipal de Cultura, através da Subsecretaria de Direitos Humanos e Igualdade Racial, contou com a presença de políticos, representantes de conselhos culturais, movimentos negros, religiosos e historiadores, além do filho de João Cândido, seu Candinho, e a neta Selma.
“João Cândido viveu em São João de Meriti, seus familiares moram aqui até hoje. Nossa cidade tem rua, escola com nome do líder negro e o museu, que agora está no nosso Centro de Referência de Direitos Humanos. Nós não poderíamos deixar apoiar esse projeto”, disse o subsecretário de Direitos Humanos e Igualdade Racial, Marcelo Rosa.
A autora recebeu os convidados em um ambiente acolhedor, com exposição de quadros, comida baiana e sambistas, que cantaram “Mestre Sala dos Mares”, samba-enredo em homenagem a Cândido. Stella também ficou à disposição para autografar a obra, que conta a história do marinheiro que liderou a Revolta da Chibata, movimento que deu fim à prática dos castigos físicos na marinha brasileira, em 1910.

Da esquerda para a direita, Selma, neta de João Candido, o superintendente de Igualdade Racial, Frei Tata, a autora e o secretário municipal de Cultura, Waguinho Bastos

“Meninos João Cândido são todos os meninos e meninas que lutam para mudar a situação de exploração, que tentam mudar a vida, como João Cândido fez na época da revolta da Chibata. Ele é um líder dos Direitos Humanos, contra o racismo que é um mal ainda presente na nossa sociedade”, ressaltou Stela Caputo.
O debate foi conduzido pelo superintendente de Igualdade Racial, Frei Tata. “Esse é o livro que faltava para falar para adolescentes sobre a história de João Cândido. Além disso, impulsiona nosso sonho de efetivar o Museu em um local definitivo”, afirmou.
Também prestigiaram o evento o secretário de Cultura, Waguinho Bastos; a subsecretária de Urbanismo, Luciene Santos, representando a Casa de Claudia; a superintendente de Turismo, Miriam Rodrigues; o vereador do Rio, Reimont; o ex-vereador de São João de Meriti, Alfredo Queiroz; a integrante da Comissão da Verdade sobre Escravidão Negra, Dra. Angélica; o presidente da Academia de Letras e Artes e São João, Nei Santos; o presidente da Unidade de Mobilização Nacional pela Anistia (UMNA), José Alípio Ribeiro e o presidente do Conselho Estadual de Política Cultural do Rio, Ivan Machado.

 

Deixe um Comentário