Desqualificados e sem moral

cabritos juntos
cabritos juntos

Divulgação

A falta de decoro parlamentar de dois vereadores da Câmara Municipal de Japeri envolvidos nas agressões física e verbal contra o estudante Igor Victor Domingos, em sessão na Casa, na manhã da última quinta-feira, durante votação da suplementação orçamentária do governo, deixa uma dúvida: porquê políticos com histórico de caráter duvidoso ainda ganham a confiança do eleitorado nas urnas?

Ex-policial militar eleito vereador em 2012, Helder Barros, teria usado da malandragem típica carioca para alcançar a aposentadoria na corporação alegando problemas auditivos. Mas, há quem diga que o parlamentar se faz de surdo e deita na fama. Segundo informações apuradas pela reportagem do Hora H, Helder ouve tudo e se expressa muito bem quando algo é lhe perguntando, mesmo sendo reformado por surdez.

O caso do plágio é alvo de investigação no Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ). Para quem entende do assunto, deficiência auditiva é uma velha alegação entre policiais militares para conseguirem a aposentadoria antes do tempo legal. Vários processos de reforma já foram revistos no estado do Rio de Janeiro, inclusive com reformados sendo obrigados a retornar ao trabalho.

Suspeito de falsificação de documentos
Outro vereador visto com desconfiança pela população vive sob a sombra de um passado negro. Adversários políticos não perdem tempo ao afirmar que o parlamentar, que já foi funcionário dos Correios, já teria sido investigado por participação em esquema de falsificação de documentos do Cadastro de Pessoa Física e Jurídica.

Márcio Bibi, que é candidato à reeleição pelo PR na coligação Unidos por Japeri, ainda terá muito que explicar à Justiça o seu envolvimento com a corrupção nos Correios e as supostas ameaças de mortes contra o estudante.

Deixe um Comentário