Colégio denuncia brigas, sexo e drogas dentro de unidade

58924772_ririo-de-janeiro-rj-02-06-2016-alguns-estudantes-chegam-para-ver-se-havera-aula-no-coleg

O Conselho Escolar do Colégio estadual Visconde de Cairú, no Méier, Zona Norte do Rio, formulou um dossiê reunindo os principais problemas na unidade, protagonista em 2016 no movimento de ocupações e que completa cem anos no ano que vem. De acordo com o Extra, o documento relata alunos usando drogas ilícitas dentro da escola, briga entre estudantes e ‘desconforto e insegurança evidente em todos os turnos’.

A razão dos problemas seria a falta de funcionários auxiliares, afirma o conselho, entidade composta por diretor, professores, funcionários, alunos e responsáveis. Segundo a denúncia, que foi encaminhada ao Ministério Público e à Metropolitana III, setor da Secretaria estadual de Educação responsável pela área do colégio, a unidade não tem porteiros nem funcionários para a secretaria e tem apenas dois inspetores para três turnos. Por isso, é comum pessoas sem uniforme transitarem pela unidade.

“Estamos tendo pessoas sem uniforme, circulando pelas dependências do colégio, adentrando no espaço escolar a qualquer hora do dia. Se portões são fechados, estão pulando muros para sair ou entrarem”, informa o texto. Segundo o documento, os dois inspetores trabalham de manhã até o começo da tarde. Depois, a escola fica sem. O problema se complica com a falta de professores, gerando tempos vagos aos alunos. No quesito 5, o texto lista as consequências da “ociosidade” na unidade: “Alunos jogando futebol, baralho, música, bebidas alcoólicas, relações sexuais em seus horários de aula e fora de suas salas. Uso de drogas ilícitas nas dependências da escola”, informa o documento.

Secretaria diz que problema é da direção

Apesar de ser responsável por garantir funcionários terceirizados como porteiros e inspetores às unidades, a Secretaria estadual de Educação (Seeduc) informou que os problemas descritos na matéria são “inerentes à direção da escola e, portanto, devem ser resolvidos dentro do próprio ambiente escolar e informados à Diretoria Regional Metropolitana III”.

 

Via Extra

 

Deixe um Comentário