Brasil tem 34 mortes e 1.891 casos confirmados, diz Saúde

Coronavírus

O balanço divulgado pelo Ministério da Saúde até o fechamento desta reportagem apontava que o total de casos confirmados de novo coronavírus (Sars-Cov-2) subiu para 1.891 ontem.

O novo número de casos representa um aumento de 22% em relação aos 1.546 casos anunciados até domingo (22). No caso das mortes, o crescimento foi de 36%. Entre os pacientes que morreram em consequência da doença Covid-19, 30 estavam no estado de São Paulo e quatro no Rio de Janeiro.

Pandemia acelera no mundo
A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou nesta segunda que nos últimos 4 dias os novos casos de coronavírus subiu em 100 mil, levando o total de pessoas infectadas a mais de 300 mil em quase todos os países do mundo.

Para comparar a velocidade que a pandemia ganhou nos últimos dias, a OMS informou que o número de casos de Covid-19 atingiu a marca de 100 mil em 67 dias – mas levou apenas 11 dias para dobrar e atingir 200 mil casos e outros quatro dias para chegar a 300 mil casos.

Governo anuncia pacote de R$ 85,8 bilhões para estados e municípios

O presidente Jair Bolsonaro anunciou ontem que o governo vai implementar um plano de R$ 85,8 bilhões para fortalecer os estados e os municípios. A medida visa o enfrentamento da crise gerada pela pandemia do novo coronavírus.

O anúncio foi feito por meio de uma rede social, durante uma reunião com governadores das regiões Norte e Nordeste. De acordo com ele, para implementar as ações serão editadas duas medidas provisórias para transferir recursos para fundos de saúde estaduais e municipais.

As medidas anunciadas pelo governo são: transferência de R$ 8 bilhões para gastos em saúde; recomposição de fundos de participação de estados e municípios, no valor de R$ 16 bilhões (seguro para queda de arrecadação); transferência de R$ 2 bilhões para gastos em assistencial social; suspensão das dívidas dos estados com a União; renegociação de dívidas de estados e municípios com bancos; operações com facilitação de créditos, no valor de R$ 40 bilhões.

De acordo com o governo, as soluções são temporárias e terão validade durante a situação de emergência. Apenas a suspensão do vencimento da dívida dos estados com a União, de acordo com o presidente, vai garantir aos estados R$ 12,6 bilhões a mais em caixa para enfrentamento da crise. Bolsonaro anunciou a medida um dia depois de o Supremo Tribunal Federal (STF) atender a um pedido do governo de São Paulo e autorizar o estado a deixar de pagar parcelas da dívida que tem com a União.

Já a renegociação de dívidas dos estados e municípios com os bancos representaria outros R$ 9,6 bilhões, enquanto uma “facilitação de crédito” envolveria o valor de R$ 40 bilhões. Não foi informado em quanto tempo esses recursos seriam liberados.

Fonte: Agência Brasil/G1

Deixe um Comentário